Os Mitos da Amamentação

Ao se falar em Amamentação, sempre recebemos várias orientações de familiares, amigos e tudo com o objetivo de: ajudar a mamãe que está vivenciando o mundo materno infantil. Porém, importante lembrarmo-nos das evidências científicas e termos conhecimentos técnicos para saber se a orientação é coerente para a mamãe realizar.

Sempre me perguntam: como preparar o bico do peito para a amamentação e a minha resposta é: busquem informação de qualidade ainda no período gestacional, se atualizem, se informem. Um bom exemplo é quando vamos fazer uma prova: estudamos bastante no período que antecede a realização da mesma, assim é a gestação: buscar informação no período gestacional, faz toda a diferença para vivenciar o pós parto.

Mas em se falando de mitos, alguns são bastante comuns em nosso cotidiano, como por exemplo: Para bico peito “rachado” você deve usar casca de banana ou salsinha amassada com mel. Sabemos que essa indicação é de nossos antepassados com a melhor das intenções. E porque essa indicação: pelo fato de ser emoliente, contribuindo para com a dor no momento da amamentação. Todavia, sabemos que um bico do peito “rachado” é uma porta de entrada para contaminação. Sendo assim, a sugestão é não usar, pois muitas vezes podendo complicar o contexto ao invés de melhorar.

Complementando a fala acima, se temos um bico do peito “rachado”, 90% dos casos é uma pega incorreta. Um manejo da amamentação que não está legal e precisa urgente ser avaliado. Você pode fazer laser, mas se não corrigir o manejo não terá sucesso na evolução.

“Tô grávida de 8 meses e ainda não sai leite na minha mama, isso quer dizer que não vou ter leite”. Essa pergunta é clássica entre as gestantes no final da gestação. Não se tem relação nenhuma. Algumas mulheres sentem o leite saindo no fim da gestação e outras não.

“Minha mãe não amamentou nenhum filho e ela me disse que também não vou amamentar”. Outra perguntinha rotineira do meu dia a dia. Não tem relação genética a amamentação. Alguns fatores podem influenciar na produção láctea? Sim, mas na genética não.

Diante do exposto, a dica de ouro que deixo é: se informem, se empoderem em informações embasadas em conhecimentos científicos. Tenha na sua rede de apoio profissionais capacitados, atualizados e acima de tudo com Amor no que fazem.


Vânia Oliveira Amaral
Idealizadora da Baby Care

Instagram @babycareoficiall
http://www.babycareoficial.com.br

 

Robson Moraes

Robson Moraes Almeida, Farmacêutico, Bioquimico, Retratista e Editor do Lagoa da Prata Ponto Com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *