O caminho do urucum, estrada da usina

Árvore de porte pequeno, muito usado como corante por indígenas, na culinária, na farmacobotânica, e em diversos outras situações.

Talvez você já tenha percebido que no caminho que vai para a usina tem várias árvores destas que depois da florada produzem o fruto espinhado.

Veja abaixo alguns dados sobre a planta:

“Urucu, ou urucum, é o fruto do urucuzeiro ou urucueiro (Bixa orellana), arvoreta da família das bixáceas, nativa na América tropical, que chega a atingir altura de até seis metros. Apresenta grandes folhas de cor verde-claro e flores rosadas com muitos estames. Seus frutos são cápsulas armadas por espinhos maleáveis, que se tornam vermelhas quando ficam maduras. Então se abrem e revelam pequenas sementes dispostas em série, de trinta a cinquenta por fruto, envoltas em arilo também vermelho.

Embora, sob o ponto de vista científico, ainda seja objeto de estudo com vista ao estabelecimento do rol de aplicações, consideram-se as folhas e as sementes do urucum como:

Dotadas de virtudes expectorantes em geral;
Úteis nas afecções diversas, principalmente do coração;
Eficazes na eliminação de manchas e verrugas (tintura das sementes aplicada sobre a pele elimina manchas brancas, verrugas, e rejuvenesce a pele);
Eficazes para alívio e redução da prisão de ventre, hemorroidas e hemorragias (chá das folhas).
Podem ainda, segundo informações coletadas entre os indígenas, ser usadas como repelente natural de insetos ( sementes ).

A Medicina Fitoterápica dispõe das informações precisas sobre o uso médico.”

Fonte: Wikipedia


Alguns motivos que nos foram repassados:

Dizem que foi escolhido pelo Coronel Luciano para lembrar da uma fazenda de sua propriedade que se chamava Urucuia. Muito se fala mas ninguém confirmou.

Dizem pelo porte pequeno da árvore, foi escolhido para não atrapalhar os pousos e nem as decolagens da pista da usina.

Dizem que a planta foi utilizada para segurar o aterro que devido ao terreno ser de brejo podia com o tempo ceder.


Mensagem enviada ao site:

“Prezado Robson Moraes Almeida, não posso de dizer o porque da escolha por parte da empresa, mas posso te dizer que foi uma escolha adequada por vários motivos, vamos citar alguns. 1º é uma árvore de pequeno porte, usada em arborização urbana e com isso não coloca em risco ciclistas e veículos que passam pelo local; 2º serve de alimento para animais silvestres e serve de condimento para a culinária, muito utilizado inclusive; 3º possuem um efeito paisagístico uniforme; 4º por serem de pequeno porte, existe menor risco de tombamento de galhos na estrada, o que poderia provocar acidentes. 5º esta planta, no caso sua semente, é também utilizada para a produção de tinturas, inclusive com uso industrial e cosmético. Espero poder ter ajudado. Grande abraço. “

Carlos Frederico Muchon
Engenheiro Ambiental


Algumas destas árvores tem um ciclo de vida curto. Morrem naturalmente e precisam serem repostas, por isso tem-se algumas falhas nas laterais das estradas. Estas falhas também são por causa de vandalismos e acidentes automobilísticos que costumam arrancar estas arvores.


Por acaso você conhece o motivo de ter sido plantado tantas destas árvores neste caminho? Tem mais informações? Nos envie, deixe seu comentário!

Robson Moraes

Robson Moraes Almeida, Farmacêutico, Bioquimico, Retratista e Editor do Lagoa da Prata Ponto Com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *