As capivaras do Parque São Francisco de Assis

As capivaras do Parque São Francisco de Assis

Não é de hoje que diversas pessoas tem publicado fotos nas redes sociais das capivaras que habitam o parque São Francisco de Assis.

Recentemente um vereador andou comentando em uma reunião da câmara sobre a reclamação de alguns lagopratenses, que as capivaras estavam fazendo suas necessidades nas areias da praia.

Isso gerou um desconforto na prefeitura, que fez o prefeito ir a uma rádio local dizer ironicamente que “ia colocar fraudas nos animais”.

Isso trás a tona uma coisa que a muito tempo os moradores da orla da praia tem comentando.

“As capivaras tem se reproduzido muito rapidamente, elas não tem predadores neste local, em uma noite na minha horta cheguei a ver mais de 40 capivaras, comeram todas as plantas do meu jardim. Elas frequentam as casas dos moradores e ate a praia municipal durante a noite.” Comentário anônimo de um morador da Rua dos Ferroviários.

Não é de hoje que são encontrados fezes de capivara na areia da praia.

“Estamos invadindo o habitat natural delas, toda e qualquer intervenção precisa ser estudada, o ideal seria aprendermos a conviver com elas.” Comenta Frederico Muchon, consultor ambiental.

Um remanejamento destas capivaras a cada dia parece ser necessário. Segundo o Sargento Edmilson da Policia Ambiental, “Todo e qualquer remanejamento precisa da autorização e monitoramento do IBAMA”.

É importante prevenir, principalmente antes que se possa aparecer a febre maculosa, já que carrapatos já são encontrados também em algumas localidades do parque.

Em Belo Horizonte, o problema das Capivaras na Lagoa da Pampulha se estende a anos, primeiro, o IBAMA demorou para autorizar o manejo, demorou para aceitar a castração para reduzir os animais e só chamou realmente atenção das autoridades quando começaram a ocorrer mortes por febre maculosa.

Vamos aguardar para ver o que acontece. Uma solução vai ser necessária! Tomara que eficiente, já que o controle das piranhas da praia já dura décadas e décadas!

Veja também As Piranhas da Praia Municipal

Robson Moraes

Robson Moraes Almeida, Farmacêutico, Bioquimico, Retratista e Editor do Lagoa da Prata Ponto Com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *