A história da Rede Ferroviária

A história da Rede Ferroviária

Na história de nossa cidade tem uma parte esquecida e que muitos jovens não conhece. Quando a Rede Mineira de Viação projetou a ferrovia em nossa região ela seria onde está hoje, mas os caciques políticos da época juntaram forças e a trouxeram para mais próxima de nossa cidade.
Então foi preciso que se fizesse um aterro para que a Ferrovia prosseguice, desse aterro surgiu nossa Lagoa da Prata, como foi denominada pelos missionários.
Me lembro quando jovem saíamos um grupo da cidade, o que não era muito perto para ir até a estação ver o “noturno” passar por volta de uma hora da madrugada.
Me lembro também da tia do meu pai, Dona Zenite, mãe do Rui Amorim que era um dos conferentes da Estação vendendo biscoitos e bolos na plataforma da Estação para sustentar a família, pois ela ficou viúva muito jovem.
Me lembro do Sr. Valfrido que de carroça transportava os objetos da Estação para a cidade. Na Estação tinha uma caixa de madeira grande onde ficavam as correspondências.
As “Maria Fumaça” como eram chamadas nos emocionava com sua chegada, principalmente o trem noturno que só chegava passageiros. Me lembro do Giba, um simpático guarda-chaves, assim eles eram classificados, ele mais de quarenta anos com doença de chagas.
São tantas pessoas que trabalhavam ali, outros que me lembro com carinho: Sr. Xisto Santana, Sr. Diniz Borges. Quantas vezes em excursões escolares as escolas levavam as crianças para ver a “Maria Fumaça” passar. Eu pessoalmente com meus quinze anos ia para a Estação para aprender o código morse, isso tinha que ser à noite para não atrapalhar o trabalho dos conferentes.

Hoje resta a Estação
Não vamos deixá-la acabar
Para que fique na história
E pros nossos netos contar

Existia também perto da Estação as caieiras, pois o nosso município exportava cal e açúcar para outros estados.

Da Rede Ferroviária
Eu vou falar a verdade
Restou a Estação
No peito só a saudade

Otaviano Luinha
Publicado originalmente no site www.recantodasletras.com.br

Robson Moraes

Robson Moraes Almeida, Farmacêutico, Bioquimico, Retratista e Editor do Lagoa da Prata Ponto Com

Um comentário em “A história da Rede Ferroviária

  • 16 de maio de 2019 em 9:23 PM
    Permalink

    Boa noite sr. Otaviano Luinha. Acabei de ler o seu texto. Muito bem escrito, cheguei a me emocionar. Olhando a foto da antiga estação ferroviária,(não sei se é a mesma) me recordo com imensa saudade da noite de 19 de Dezembro de 1958, embarcamos em uma locomotiva maria fumaça, nós e mais onze famílias, com destino à Brasilia futura capital do Brasil.
    Gostaria de saber, se há registro desse evento. Já pesquisei mas não encontrei. Quem sabe, o sr. conhece alguém dessa época que possa dar algum testemunho. Ficaria muito agradecido. abs.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *