Força-tarefa é montada para retirar peixes encalhados

Força-tarefa é montada para retirar peixes encalhados

Espécies ficaram presas em uma obra de contenção na Lagoa Verde.

Órgãos ambientas, promotoria e pescadores ajudam para salvar peixes.

Centenas de peixes que sobem neste período do ano do Rio São Francisco para o Rio jacaré, durante a piracema, ficaram encalhados em uma obra de contenção na Lagoa Verde em Lagoa da Prata. O motivo seria por causa do baixo nível de água provocado pela estiagem. Uma força-tarefa foi montada nesta terça-feira (14) para tentar salvar as diversas espécies e o trabalho continua nesta quarta-feira (15).

A situação mobilizou pescadores, órgãos ambientais e até a segurança pública. “Viemos conferir o que está acontecendo e junto com as demais autoridades buscar evitar danos ambientais”, disse o promotor de Meio Ambiente, Eduardo Almeida da Silva.

Curimatã, curvinas e mandi prata são algumas das espécies que ficaram concentradas em um poço que liga o Rio Jacaré a Lagoa Verde, onde eles deveriam desovar. “A obra da barragem pode estar influenciando. Por causa do baixo nível forma uma correnteza e eles não conseguem subir. Se tivesse nível de água maior eles conseguiriam subir”, disse o cabo Joel Henrique.

Na tentativa de salvar parte dos peixes foi improvisada uma estrutura de madeira e montada uma barreira para melhorar o fluxo da água. Desta forma, a subida do peixe fica mais fácil. Até redes de pesca foram usadas para transportar o peixe até a Lagoa Verde. Os voluntários ficaram praticamente o dia todo em prol da ação. “A solução foi pegar os peixes com redes, tarrafas e outros meios para levá-los até a lagoa”, disse Joel

Quem mora na região de Lagoa da Prata sabe que situações como essa comprometem o meio ambiente. “Se não salvarmos daqui um tempo não teremos mais peixes para os nossos filhos, para os supermercados. Então algo tem que ser feito”, disse o pescador Clodomiro da Silva.

A força tarefa continua durante todo dia nesta quarta-feira (15) e segundo a Polícia de Meio Ambiente não há previsão para acabar.

Robson Moraes

Robson Moraes Almeida, Farmacêutico, Bioquimico, Retratista e Editor do Lagoa da Prata Ponto Com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *